Fatores que influenciam na escolha da melhor placa-mãe para o PC

Redação da PC World / EUA
08/07/2008

Se você for montar um PC ou recauchutar o seu antigo, um motherboard nova é o ponto de partida. Veja como fazer a escolha certa.

motherboard_howto_150Criar
um PC personalizado é muito mais fácil do que ficar adivinhando qual
fabricante oferece a combinação de recursos ideal para satisfazer suas
necessidades. Montar uma máquina por conta própria não tem segredos, e
a tarefa pode durar menos de uma tarde uma vez que você tenha alguns
dos principais ingredientes.

Assim como cozinhar, a preparação é crucial. A decisão mais
importante que você vai tomar para seu PC customizado é qual
motherboard comprar. Os preços e especificações variam absurdamente. E
essa não é uma decisão que você pode tomar isoladamente, pois terá um
impacto sobre quase todos os outros aspectos do sistema, desde a CPU
até a capacidade de armazenamento.

Sob vários pontos de vista, a placa-mãe é o coração do computador
moderno, uma vez que afeta quase todos os outros componentes. Escolher
uma motherboard é uma tarefa bem complicada, pois você tem de sete a
nove fatores diferentes para levar em conta, de importâncias variáveis.

Pense um pouco sobre como e para que você vai usar seu PC. Alguém
que pretende utilizá-lo com um dispositio que exija uma porta serial
vai se importar mais com os recursos periféricos do que o usuário
comum, enquanto o gamer hard-core vai provavelmente focar em GPU,
processador principal e chipset, com pouca ou nenhuma atenção aos
periféricos.

Principais componentes

motherbCPU
O
processador principal (CPU), muito conhecido como cérebro do
computador, é um dos recursos-chave (mas não é o recurso-chave) de um
sistema moderno. Você tem muitas opções mais conhecidas para sua CPU. A
Intel atualmente possui a linha de processadores com melhor desempenho,
com o Core 2 Duo and the Core 2 Quad (que usa o soquete LGA775).

Como o próprio nome sugere, o Core 2 Duo é uma CPU Dual-Core,
enquanto o Core 2 Quad é um processadpr de quatro núcleos. A AMD usa os
soquetes AM2 e AM2+ e oferece os processadores Phenom (quad-core ou
triple-core) e o Athlon 64 (dual-core).Os produtos da AMD são
confiáveis, mas geralmente fornecem performance inferior.

motherbUma
terceira opção, menos conhecida, é a Via Technologies. Ela produz o
processador de pouca potência C7, que é bem menos comum já que oferece
substancialmente menos desempenho do que os Intel e AMD.

Nós recomendamos um Intel Core 2 Duo de 3 GHz, especificamente o
E8400, a não ser que você use aplicativos (editor de vídeo, por
exemplo) que funcionam melhor com um processador quad-core.

A não ser que você saiba o que está fazendo, evite recursos de
overclocking. Pouquíssimos fabricantes de placa-mãe tentam destacar
seus produtos por terem suporte para configuração de velocidades além
da especificada.

Chip set
Se a CPU é o cérebro do PC, então o chipset é a
espinha dorsal, responsável por conectar diversos componentes entre si
no computador e transportar dados entre eles. O chipset determina que
tipos de processador, memória e outros componentes podem ser usados.
Desta forma, este componente pode influenciar fortemente a performance
final do sistema.

O chipset é o componente mais importante da placa-mãe. Uma vez que
motherboards que usam o mesmo chipset terão geralmente desempenho
idêntico (impedindo erros graves de design). O que as diferencia,
então, é a presença (ou ausência) de outros recursos, como slots para
expansão, opções de armazenamento e outros chips separados que podem
ser inclusos.

Os chipsets geralmente usam dois chips conhecidos como northbridge e
southbridge. De uma forma geral, o northbrigde é responsável por lidar
com aparelhos de alta performancem enquanto devices menos sensíveis
tendem a se aglomerar no southbridge.

O
northbridge tradicionalmente inclui controle de memória, além de
gráficos integrados ou uma interface para gráficos separados. A AMD,
contudo, tem o controle de memória integrado à CPU, e não pelo chipset.

O southbridge inclui rede, armazenamento, áudio, perfiéricos em
geral e outros aparelhos. A imagem abaixo mostra um exemplo: o chipset
Intel X48 com partição entre o northbridge (ou MCH) e o southbridge (ou
ICH).

diagrama_intel

As principais alternativas para chipset são Intel, AMD e nVidia, apesar de aSis e a Via serem opções.

Dica: Primeiro escolha o chipset, depois a placa-mãe. Veja antes,
qual jogo de chips vai funcionar com seu sistema e, somente após isso,
compare as diferentes motherboards que tenham esse chipset.

Memória
Escolher memória para seu PC costuma ser uma
decisão simples: é só pegar uma marca confiável que seja a mais barata
possível (a não ser que você goste de fazer overclocking, mas isso é
uma outra história). No entanto, diversos tipos de memória passaram por
uma transição.

A maioria dos chipsets usam memória DDR2 a até 800 MHz (PC2 6400), mas os mais novos da Intel também podem utilizar DDR3.

Esse padrão oferece mais velocidade (1066 a 1600MHz), consome menos
energia e tende a ganhar força nos próximos 12 meses, mas por enquanto
ainda é mais caro.

Diferenciar
uma placa DDR3 de uma DDR2 sem o manual ou a caixa não é muito fácil,
uma vez que ambos os slots usam 240 pinos. A diferença é que a chave
(um espaço entre os pinos) é mais perto do centro do DIMM (o módulo de
memória) no DDR2, enquanto no DDR3 fica mais perto da extremidade do
DIMM. Lembre-se: se o módulo da memória não se encaixa no slot, não
force!

Um desktop moderno deve ter pelo menos 2GB de memória RAM, e
possivelmente até 4GB para aplicativos mais exigentes (sem falar no
Windows Vista).

Dica: Fique com memórias DDR2 a não ser que você precise mesmo de mais velocidade e desempenho.

Processamento gráfico
A unidade de processamento gráfico,
ou a GPU, é o terceiro componente mais importante de um sistema, logo
depois da CPU e do chipset. As principais considerações para os
gráficos são: custo, desempenho e possibilidade de upgrade.

A opção mais barata é um chipset com GPU integrado. Processador
gráfico integrado (IGP, no jargão da indústria) serve para
funcionalidades básicas em 2D e 3D e geralmente usam memória do sistema
em vez de memória gráfica dedicada.

Todos os principais fabricantes (AMD, Intel, nVidia e VIA) oferecem
gráficos integrados com alguns chipsets. Um IGP é um boa escolha para
usuários interessados em poucos recursos multimídia, suítes de
escritório e outras aplicações leves.

Gráficos integrados são o suficiente para cerca de 60% das pessoas,
mas a tecnologia quase sempre carece da performance necessária para
games. Para usuários que querem jogar em seus PCs, o próximo passo é
uma placa-mãe com um slot PCI Express x16, que acomoda uma placa
gráfica separada da ATI/AMD ou nVidia.

O PCI Express vem em dois tipos, Gen 1 e Gen 2. A diferença é que o
slot Gen 2 funciona a 5GHz, o dobro da velocidade da geração
antecessora. Essa distinção não importa particularmente para as atuais
GPUs (ou a maioria dos outros periféricos), mas será pauta nos upgrades
do futuro.

Para
uma placa-mãe que você espera que dure mais do que a GPU que você vai
conectar, escolher o slot PCI-E mais rápido faz mais sentido.

Se preço não for o problema, e seu objetivo for máximo desempenho
para games, sua escolha será um pouco diferente: suporte para
multi-GPU, que é um recurso genuinamente de ponta e não custa mais do
que deve.

As únicas opções para GPUs múltiplas são SLI (para placas nVidia) ou
CrossFire (para placas ATI). Como a nVidia é claramente a líder em
desempenho, SLI é a melhor escolha por enquanto; mas repare que o SLI
funciona apenas com chipsets da nVidia e placa-mãe Skulltrail, da Intel.

Uma preocupação à parte, mas relacionada, é a interface gráfica. Você tem três alternativas principais: VGA, DVI e HDMI.

O VGA é o conector tradicional analógico de monitor de 15 pinos ,
desenvolvido para telas CRT. DVI é o conector digital que visa
especificamente o uso de monitores LCD. E HDMI é uma variante do DVI
com a tecnologia DRM (digital rights management) necessários para tocar
blu-ray e outras mídias em alta definição.

Dicas: evite SLI ou CrossFire a não ser que você realmente
precise. Mesmo que você não queria gráficos dedicados, vale a pena ter
uma porta PCI-E x16, pois não irá custar muito.

Som
Um som integrado vai satisfazer as necessidades todos
menos dos usuários mais seletivos e dos entusiastas de áudio. O AC97 é
um padrão antigo de áudio que foi substituído por áudio HD (ou
"Azalia").

Você realmente não tem motivo para ficar com o padrão antigo, apesar
de que a nova tecnologia traz recompensas moderadas. Para os
entusiastas do áudio dedicado, que podem se beneficiar de uma placa de
som separada, um slot PCI-E extra é fácil de achar.

2cabosArmazenamento
Da
mesma forma que a memória, a questão do armazenamento básico tende a
ser relativamente simples, mas fica um pouco engenhosa com as várias
opções e plataformas de transição.

Nos últimos anos, o armazenamento passou por uma transição do
Parallel ATA para o Serial ATA (SATA) e daí para o 3-gbps SATA. SATA de
1.5-gbps contra de 3-gbps podem fazer um pouco de diferença no
desempenho, mas principalmente em edição de vídeo e trabalhos com mídia
pesada apenas.

A maioria dos discos rígidos usam SATA, enquanto DVD+/-RW mais
antigos utilizam Parallel ATA. A maioria das placas-mãe suportam quatro
ou mais portas SATA – até dez, o que é suficiente para grande parte dos
usuários.

O eSata é um padrão relativamente novo para conectar drives externos
via SATA em vez de FireWire ou USB. O eSata oferece performance melhor
do que os outros dois, e também suporta recursos que dão confiabilidade
e maneabilidade, como o  SMART (Self Monitoring And Reporting
Technology).

O eSATA não é nem de longe tão difundido quanto o USB 2.0, mas
pensando no futuro, é provável que ele seja largamente adotado, e ele
tem com certeza uma interface melhor.

A outra grande questão sobre armazenamento envolve o chamado RAID,
que é padrão em várias placas-mãe modernas. Você pode usar RAID 0 ou 1
com dois discos rígidos; o primeiro aumenta o desempenho de leitura e
gravação de dados, enquanto o segundo melhora a confiabilidade.

O RAID 5 requer ao menos três drives, e o RAID 6 (que na verdade
serve ao meio corporativo) precisa de pelo menos quatro. A maioria dos
sistemas simplesmente não precisa dessa quantidade de discos, ou seja,
seis drives pode ser uma boa opção, mas raramente será pré-requisito.

Para edição de vídeo e outras tarefas em multimídia, os RAID básicos
0, 1 ou 5 dão conta do recado e até podem ser uma necessidade.

Rede
Rede com fio é muito simples, pois qualquer chipset
terá pelo menos uma porta de ethernet gigabit integrada. Para a maioria
dos casos, Wi-Fi não é uma necessidade em desktops, e a maioria das
placas-mãe tendem a evitá-lo para cortar custos; é um recurso opcional.

Periféricos em geral
Em uma motherboard, os periféricos
podem incluir USB 2.0, FireWire, PS/2, portas serial e paralela e disco
flexível. Dessas opções, USB 2.0 é uma necessidade absoluta e o
FireWire pode ser interessante, mas o resto com certeza está obsoleto,
a não ser que você precise para usar em um aparelho específico.
Form factor
o último aspecto a ser considerado numa
placa-mãe é o form factor. Este é, no final das contas, uma escolha
estética que o chassi do sistema vai determinar. A maioria das
placas-mãe usa o form factor ATX, com o design microATX indo ao
encontro das necessidades dos usuários. No entanto, algumas outras
variantes (que não são o foco desta matéria) estão disponíveis para
usuários com necessidades específicas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s