Pai Nosso Meditado

Pai nosso que estais no céu…

Deus: Sim? Estou aqui.

Cristão: Por favor, não me interrompa, estou rezando!

Deus: Mas você me chamou!

Cristão: Chamei? Eu não chamei ninguém. Estou rezando.

"Pai nosso que estás no céu…

Deus: Aí, você me chamou de novo.

Cristão: Fiz o que?

Deus: Me chamou. Você disse: Pai nosso que estais no céu. Estou aqui. Como é que posso ajudá-lo?

Cristão: Mas eu não quis dizer isso. É que estou rezando. Rezo o Pai Nosso todos os dias, me sinto bem rezando assim. É como se fosse um dever. E não me sinto bem até cumpri-lo…

Deus: Mas como pode dizer Pai Nosso, sem lembrar que todos são seus irmãos; como pode dizer que estais no céu, se você não sabe que o céu é a paz, que o céu é amor a todos?

Cristão: É, realmente ainda não havia pensado nisso.

Deus: Mas, prossiga sua oração.

Cristão: Santificado seja o Vosso nome…

Deus: Espere aí! O que você quer dizer com isso?

Cristão: Quero dizer…quer dizer, é…sei lá o que significa.

Como é que vou saber? Faz parte da oração, só isso!

Deus: Santificado significa digno de respeito, Santo, Sagrado.

Cristão: Agora entendi. Mas nunca havia pensado no sentido dessa palavra SANTIFICADO… "Venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu…"

Deus: Está falando sério?

Cristão: Claro! Por que não?

Deus: E o que você faz para que isso aconteça?

Cristão: O que faço? Nada! É que faz parte da oração, além disso seria bom que o Senhor tivesse um controle de tudo o que acontecesse no céu e na terra também.

Deus: Tenho controle sobre você?

Cristão: Bem, eu freqüento a igreja!

Deus: Não foi isso que Eu perguntei. Que tal o jeito que você trata os seus irmãos, a maneira com que você gasta o seu dinheiro, o muito tempo que você dá à televisão, as propagandas que você corre atrás, e o pouco tempo que você dedica a Mim?

Cristão: Por favor. Pare de criticar!

Deus: Desculpe. Pensei que você estava pedindo para que fosse feita a minha vontade. Se isso for acontecer tem que ser com aqueles que rezam, mas que aceitam a minha vontade, o frio, o sol, a chuva, a natureza, a comunidade.

Cristão: Está certo, tens razão. Acho que nunca aceito a sua vontade, pois reclamo de tudo: se manda chuva, peço sol, se manda o sol reclamo do calor, se manda frio, continuo reclamando, se estou doente peço saúde, não cuido dela, deixo de me alimentar ou como muito…

Deus: Ótimo reconhecer tudo isso. Vamos trabalhar juntos, Eu e você; mas olha, vamos ter vitórias e derrotas. Eu estou gostando dessa nova atitude sua.

Cristão: Olha Senhor, preciso terminar agora. Esta oração está demorando muito mais do que costuma ser. Vou continuar: "o pão nosso de cada dia nos dai hoje…"

Deus: Pare aí! Você está me pedindo pão material? Não só de pão vive o homem, mas também da minha palavra. Quando me pedires o pão, lembra-te daqueles que nem conhecem pão. Pode pedir-me o que quiser, desde que me veja como um Pai amoroso! Eu estou interessado na próxima parte de sua oração. Continue!

Cristão: "Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido…"

Deus: E o seu irmão desprezado?

Cristão: Está vendo? Olhe Senhor, ele me já criticou várias vezes e não era verdade o que dizia.  Agora não consigo perdoar. Preciso me vingar.

Deus: Mas, e sua oração? O que quer dizer sua oração? Você me chamou, e eu estou aqui; quero que saias daqui transfigurado. Estou gostando de você ser honesto, mas não é bom carregar o peso da ira dentro de você, não acha?

Cristão: Acho que iria me sentir melhor se me vingasse!

Deus: Não vai não! Vai se sentir pior. A vingança não é tão doce quanto parece. Pense na tristeza que me causaria, pense na sua tristeza agora. Eu posso mudar tudo para você. Basta você querer.

Cristão: Pode? Mas como?

Deus: Perdoa seu irmão, Eu perdoarei você e o aliviarei.

Cristão: Mas Senhor, eu não posso perdoá-lo.

Deus: Então não me peça perdão também!

Cristão: Mais uma vez está certo! Mais do que quero vingar-me, quero a paz com o Senhor. Está bem, está bem; eu perdôo a todos, mas ajuda-me Senhor. Mostra-me o caminho certo para mim e meus inimigos.

Deus: Isto que você pede é maravilhoso, estou muito feliz com você. E você como está se sentindo?

Cristão: Bem, muito bem mesmo! Para falar a verdade, nunca havia me sentido assim! É tão bom falar com Deus.

Deus: Ainda não terminamos a oração. Prossiga…

Cristão: "E não deixeis cair em tentações, mas livrai-nos do mal…"

Deus: Ótimo, vou fazer justamente isso; mas não se ponha em situações onde possa ser tentado.

Cristão: O que quer dizer com isso?

Deus: Deixe de andar na companhia de pessoas que o levam a participar de situações ruins, intrigas, fofocas. Abandone a maldade, o ódio. Isso tudo vai levá-lo para o caminho errado. Não use tudo isso como saída de emergência!

Cristão: Não estou entendendo!

Deus: Claro que entende! Você já fez isso comigo várias vezes. Entra no erro, depois corre a me pedir socorro.

Cristão: Puxa, como estou envergonhado!

Deus: Você me pede ajuda, mas logo em seguida volta a errar de novo, para mais uma vez vir fazer negócios comigo!

Cristão: Estou com muita vergonha, perdoa-me Senhor!

Deus: Claro que perdôo! Sempre perdôo a quem está disposto a perdoar também. Mas não esqueça, quando me chamar, lembre-se de nossa conversa, medite sobre cada palavra que fala! Termine sua oração.

Cristão: Terminar? Ah, sim, "Amém!"

Deus: O que quer dizer amém?

Cristão: Não sei. É o final da oração.

Deus: Você só deve dizer amém quando aceita realizar tudo o que eu quero, quando concorda com minha vontade, quando segue os meus mandamentos. Porque AMÉM quer dizer: assim seja, concordo com tudo que rezei.

Cristão: Senhor, obrigado por ensinar-me esta oração e agora obrigado por fazer-me entendê-la.

Deus: Eu amo cada um dos meus filhos, amo mais ainda aqueles que querem sair do erro. Abençôo-lhe e fica com minha paz!

Cristão: Obrigado, Senhor! Estou muito feliz em saber que é meu amigo.

 

 

 

 Novo Mural de Recados Clique Aqui!!!

 Clique em Comentários e deixe seu recado!!! Ajuda!!!

7 comentários sobre “Pai Nosso Meditado

  1. Recebi outro dia a carta de uma pessoa amiga e veio junto uma página de jornal. Era uma crônica de Rubem Alves, tratando de um assunto pouco conhecido: os sons secretos da cítara indiana.No começo, confesso que achei o texto um pouco dispersivo. Mas, no fim compreendi a beleza do todo, permeada pela poesia vestida em considerações oportunas, comprometidas com a felicidade do ser humano.Bom lembrar, a quem não sabe, que a cítara é composta de duas camadas de cordas superpostas, uma sobre a outra, muito próximas, sem nunca se tocarem. A camada de cima é sensibilizada pelo músico, e a de baixo não pode nunca ser tocada pelos dedos.Quem pouco entende dos segredos sonoros pode perguntar-se por que razão um instrumento musical tem cordas que não são tocadas.A beleza desse mistério está justamente na harmonia que enlaça as duas camadas. Os dedos não tocam a de baixo para que suas cordas possam vibrar pela magia de uma coisa muito mais sutil que os dedos. Tangidas pelos sons que brotam das primeiras, elas reverberam e fazem nascer uma outra música, diversa daquela que o artista produziu.Eis o segredo. Eis a sensibilidade. Olhemos agora para nós. Quem sabe sejamos cítaras humanas, que vivem dentro de um encanto chamado vida, provocado pelo carinho criador de Deus; lá dentro, no fundo de nossa essência, estão as segundas cordas de uma única verdade, que os dedos nunca tocam, mas que fazem ouvir uma outra voz, a vibrar pelos escaninhos do silêncio… Vem de lá uma canção imortal, jamais tocada, mas que, se ouvida, pode dizer muito de nós.Talvez seja esta a melodia diferente que os bons médiuns ouvem. Aqueles que lêem com amor o não-dito das palavras humanas, separando a mentira da verdade, o joio do trigo, e escolhendo o bem.Talvez seja, essa música oculta, a melhor definição de amizade. Afinal, o que um amigo faz senão educar-se para escutar nosso silêncio, que às vezes busca um abraço, um momento de atenção para aplacar sua melancolia?Um amigo é também algo mais. É aquele que faz do seu sossego um recanto confiável, onde o outro pode guardar seus segredos e não ter medo de perdê-los. Um amigo é aquele onde nossa segunda pauta encontra eco, porque sabe que no âmbito da amizade a solidão é um convite ao recolhimento, para que sejamos ouvidos, para que possamos reverberar. Nos braços de um amigo, nossa solidão se dilui no suave aroma da partilha.Você, a quem muitos consideram verdadeiro irmão, pode treinar os ouvidos do sentimento para escutar uma nova melodia. Preste, porém, menos atenção no que as pessoas irão tocar e mais nos sons daquelas cordas que nunca serão tangidas.Aproveite, também para apreciar a beleza da música que brota de todo lugar. Aí escutará a segunda canção de Deus, convidando-o a que habite uma realidade nova: a de ser, finalmente, um bom e melhor amigo, que com muito amor, aprendeu a chamar os outros para fora da solidão…Seu cantinho está adoravel e muito aconhegante ..Parabéns !!!…Que sua vida seja cheia de paz , bençãos e amor ….Beijos …Vivian

  2. Oi eder quero te agradeçer de coração pelos seus recadinhos que tem deixado lá no meu blog maie..muito obrigadaDeus te abençõe…..

  3. No bosque dos sonhos existe um castelo que guarda os nossos medos. Ninguém sabe exatamente onde se encontra, pois o desafio é achar o caminho de volta. Sabe-se que fica entre a esquina da rua do Silêncio com a da Atitude. Às vezes a vida nos transporta para lá. Pode ser fascinante, mas também assustador. Possui um colorido sombrio, como aquele que vemos quando sonhamos e não sabemos ao certo as cores, mas temos a certeza de que existiam e pareciam até reais. As paredes de concreto abrigam o abstrato da fantasia. Todos os muros e colunas têm aquarelas musicadas soando ecos de exclamações. Pois lá é o lugar onde são enterrados em pintura aqueles impulsos mortos do que se pensou em fazer e por medo desistimos Quando nascemos, nós fomos apresentados a aquele lugar estranho ainda com os olhos muito fechados, por muitas vezes achávamos aterrorizante e começávamos a chorar. Era quando apareciam os fantasmas, os bichos-papões… E logo o nosso alarme berrante fazia com que nossos pais nos salvassem. Mas outras vezes nossos olhos deixavam ocultas imagens necessárias para que conseguíssemos enxergar as cenas mais belas que nenhum adulto sequer conseguiria atingir. Nesses momentos, nossos desenhos foram motivos de risos . Com o tempo fomos crescendo, vencendo os medos e amadurecendo nossa presença neste lugar. As nossas responsabilidades aumentando, decepções crescentes, faz-se necessária nossa ida, onde lá a paz é constante. Já não berramos como antigamente, não temos heróis e por isso a dor parece ser maior. O mundo é monstruoso, maior do que o antigo "monstro do armário"… Com quem podemos contar? Estamos sozinhos, e nos damos conta de que somos todos sozinhos… É por isso que no castelo dos medos existem anjos. Geralmente somos abordados por eles, que tomam conta de nós . Suas pranchetas sussurram nos nossos ouvidos perguntas como: " Por que aquela pessoa que eu tanto amava se foi?", "Por que eu tive que passar por este momento tão difícil na minha vida?", "Por que meu casamento está em crise, ou não deu certo?" entre tantas outras perguntas curiosas. Os anjos cuidam de nós e faz, não com que enxerguemos o "porque" , mas com que através da reflexão nossas forças sejam renovadas para acharmos uma saída. Afinal, no momento em que a vida nos leva ao castelo, voltamos a reviver aquela criança frágil e precisamos de alguém que nos salve, que escute nosso berro engolido. Porque fomos educados para não chorar, para sermos adultos silenciosos. E ficamos na amargura, encolhidos no nosso medo, olhando as pinturas na parede que mostram as atitudes não realizadas. As oportunidades que perdemos e poderiam ter mudado nossa direção.. Aquele beijo que não demos antes do adeus… O perdão em que o orgulho ferido não concedeu…. As palavras carinhosas que muitas vezes queríamos ter dito e não dissemos… Aquele trocado que não dei ao menino que passava fome na rua… Aquele amigo que pediu ajuda e não tivemos tempo… Aquela pessoa que não tivemos coragem de nos envolver… Os olhos voltam a ser aqueles pueris, e se fecham em lágrimas e imagens estreitas, como aquelas do nossos desenhos. E quando vemos, revivemos a arte da nossa infância, temos olhos no escuros e passamos a enxergar o que não atingíamos . Enxergamos que é necessário tristezas para que encontremos a felicidade, que é preciso perder para ganharmos Existem pessoas que passam a vida toda trancadas no castelo, mas bem no fundo sabem que é por própia opção dela, que é possível achar a saída. Assim passamos toda a nossa vida saindo e entrando sempre no bosque dos sonhos… Porque lá existe o castelo dos medos que nos renova a coragem de proseguir e faz com que avistemos do alto os melhores caminhos. Aliás, foi do alto da janela deste castelo que escrevi este conto… Foi através deste conto que encontrei a minha saída !Obrigada pela doce presença em meu cantinho ….Vc iluminou meu cantinho …..Volte sempre …BEIJOS …Vivian

  4. Olá Eder Silva obrigado por visitar e e deixar comentário o seu blog é lindo amigo gsto de tudo que fala de nosso Senhor ser Supremo e maravilhoso de uma passada no meu outro blog e deixe uma nota e um comentário e muito sucesso na sua Profissâo abraços e fique com Deus.Antoni Pai Prokae.nosso outro blog é http://prokaestudantil.zip.net

  5. Obrigado por você ter comentado meu blog apareça sempre no meu blog, sua pagina está muito bonita podes vir sempre ao meu espaço da reflexão quando quiseres. Sérgio Pardal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s